Termos técnicos relativos as lentes

 

explicados de uma forma simples

Os olhos são todos diferentes. Por essa razão, a Óptica24 configura as lentes em função das suas necessidades visuais. Para isso, necessitamos dos dados que constam em sua receita oftalmológica. Mas como para um leigo esta, não é assim tão fácil de ler, encontrará a seguir uma curta explicação dos termos técnicos mais utilizados.

Se deseja obtêr mais informações sobre este assunto, queira contactar o nosso Serviço ao Cliente.

Os elementos fundamentais dos olhos

A córnea

Corresponde a primeira lente do olho. Participa no processo da visão.

O cristalino

É uma lente no interior do olho que possibilita a focalização, permitindo ver nitidamente, tanto de longe como de perto. A  variação da focalização deve-se à flexibilidade do cristalino, funcionando da mesma forma que a focalização automática de uma máquina fotográfica. Este fenômeno chama-se «acomodação».

A retina

Recobre o interior do olho e é constituída por várias células nervosas (cones e bastonetes), que transformam a imagem formada pelo olho em impulsos nervosos.

Os defeitos da visão

A miopia

A miopia é um defeito que afecta essencialmente a visão dos objectos afastados. A imagem dos objectos observados forma-se diante da retina e o míope vê mal de longe e bem de perto.

Para o míope, quanto maior for a miopia, menor é a distância de visão nítida.

A miopia é corrigida com uma lente negativa (divergente ou côncava). A lente negativa é espessa no bordo e fina no centro. O princípio consiste em fazer convergir a imagem do objecto afastado para a retina e restituir uma visão nítida até ao infinito.

A hipermetropia

A hipermetropia é um defeito visual que afecta essencialmente a percepção dos objectos que se encontram próximos. A imagem dos objectos observados não se forma na retina, mas ligeiramente atrás. Ocorre, em seguida, um defeito de focalização que torna desfocada a percepção dos objectos próximos.

Em caso de hipermetropia reduzida, a pessoa vê correctamente ao perto, mas este esforço pode provocar cansaço ocular.

A hipermetropia é corrigida com uma lente positiva (convergente ou convexa). A lente positiva é mais espessa no centro do que no bordo. O princípio consiste em colocar a imagem do objecto na retina.

O astigmatismo

O astigmatismo é um defeito de visão relativamente frequente. Deve-se, geralmente, à curva da córnea, cuja forma é ligeiramente oval em vez de redonda. O astigmata tem uma visão imprecisa, tanto de longe como de perto.

O astigmatismo pode estar associado à miopia, à hipermetropia ou à presbiopia.

O astigmatismo é corrigido com lentes cilíndricas ou tóricas. A espessura da lente varia conforme a graduação.

A presbiopia

A presbiopia não é um defeito visual, mas uma evolução natural da visão. A presbiopia surge a partir dos quarenta anos e é inevitável. Este fenômeno deve-se ao envelhecimento do cristalino, que provoca uma perda da capacidade acomodativa (dificuldades de focalização) do olho. Traduz-se por uma dificuldade crescente em ver de perto.

Há vários tipos de lentes para corrigir a presbiopia:

Lentes simples de leitura: corrige apenas a visão ao perto, a cerca de 40 cm. Para ver de longe, deve tirar os óculos ou olhar por cima das lentes.

Lentes de meia distância: permitem ver nítidamente ao perto e um campo de visão mais alargado. São em geral solicitadas pelos técnicos de informática.

Lentes multifocais: a este nível falamos de lentes progressivas.

Elementos da prescrição

Esfera (abrev. Esf.)

A esfera é expressa em dioptrias.

A esfera caracteriza o grau de miopia, se for precedida pelo sinal «-», e a hipermetropia, se for precedida pelo sinal «+».

Cilindro (abrev. Cil.)

O cilindro é expresso em dioptrias. Corrige o astigmatismo.

A indicação do cilindro nem sempre é obrigatória, mas apenas em caso de deformação da córnea. Se seleccionar um cilindro, é obrigatório indicar o valor do eixo. O valor do cilindro encontra-se geralmente na prescrição em segunda posição, à esquerda, e pode ter sinal positivo ou negativo.

Eixo (abrev. E)

O valor do eixo (E) é importante para a escolha das lentes.

Com o valor do eixo, indica-se o do cilindro das lentes.

O valor do eixo indica o ângulo de orientação das lentes na armação, onde se encontram as partes espessas ou mais finas. Este valor situa-se entre 0 e 180 e não tem sinal, nem positivo nem negativo, mas pode ser indicado em graus, por exemplo, 178°. Este valor é-lhe fornecido pelo seu oftalmologista ou optometrista. O valor do eixo é identificado na prescrição por um «E». Este valor encontra-se, geralmente, na sua prescrição, na terceira posição, à direita.

Só é necessário indicar o valor do eixo se dispuser também do valor do cilindro.

O valor de eixo é sempre indicado em graus (°). Não pode ser inferior a 0 nem superior a 180. Existem sempre dois valores – um para o olho direito e outro para o olho esquerdo.

Prisma

Os prismas são utilizados em oftalmologia para corrigir as anomalias de convergência ocular (Forias), podendo, eventualmente, provocar uma diplopia (visão dupla do mesmo objecto).

Atenção, se o campo «prisma» constar da sua prescrição, os óculos não podem ser comprados aqui. Trata-se, neste caso, de uma deficiência do ângulo de visão, que necessita uma adaptação específica aos seus olhos.

Dioptrias (abrev. Dp)

A dioptria é uma unidade de medida da potência das lentes para fazer convergir a imagem para a retina.

A dioptria é igual ao inverso da distância focal, medida em metros.

A distância focal é a distância requerida para ver um objecto com nitidez.

Por exemplo, um míope com de -1 dioptria pode ver distintamente sem óculos objectos até à distância de um metro, mas se estes estiverem situados mais longe, serão menos perceptíveis. Precisa de uma lente de -1 dioptria para ver com nitidez. Um míope com -2 dioptrias só consegue ver os objectos com nitidez se estes estiverem situados até 50 cm. Necessitará de uma lente de -2 dioptrias (distância focal 0,5 m. Dioptria = inverso da distância focal = 1 dividido por 0,5 m = 2).

Ao invés, um hipermetrope que precise de uma lente de +1 dioptria pode ver nítidamente os objectos situados a mais de um metro, mas os que estiverem situados mais perto são percepcionado de forma mais desfocada. Um hipermetrope com +2 dioptrias pode ver bem os objectos situados a mais de 50 cm, mas não os que estiverem mais próximos.

Distância pupilar (abrev. DP)

A distância pupilar (DP) é a distância entre as pupilas, medida em milímetros (mm). Tanto pode ser indicada a distância total de, por exemplo, 65 mm como os valores individuais para cada olho, D32,5 mm E32,5 mm (32,5 mm + 32,5 mm = 65 mm). Encontrará esta distância na prescrição sob a rubrica DP (Distância Pupilar).

Atenção, esta medida é importante para a confecção dos seus óculos. Ela permite-nos centrar as suas lentes.

Um exemplo para a compreensão das indicações que constam na prescrição dos seus óculos: se encontrar a indicação «DP: 30/34», isso significa uma distância de 30 mm para o olho direito e 34 mm para o olho esquerdo. (DP total corresponde, por conseguinte, neste caso, a 64 mm).

Uma pergunta?
Se precisar nos contatar, ligue para o número:
00351 308801993
seg.-qui. de 9h30-13h e 14h-18h se. 9h30-13h e 14h-16h
Novidades Originais, coloridas, elegantes, extravagantes, clássicas, estranhas, refinadas…